Odontologia Equina

Atenção na boca dos potros

  • ALINE PERUCCI
  • 11/10/2017
  • 16h34

Os cuidados nos primeiros dias de vida de um potrinho são fatores preponderantes para ele se tornar um animal forte e saudável.

A dentição está diretamente ligada à saúde, bem-estar e o desenvolvimento desses “pequenos marchadores”.

Leia o artigo técnico do árbitro da ABCCMM, Lucas Fernando Augusto, médico-veterinário pela Universidade de Alfenas, atuante na área de Odontologia equina, Clínica Veterinária e Medicina esportiva de equídeos.

A primavera é a estação que mais ocorre nascimentos de potros. Esse período exige do criador maior atenção e cuidados especiais com os recém-nascidos, e alguns fatores como as erupções dentárias e alterações encontradas na cavidade oral dos potros, que podem ser cruciais para seu desenvolvimento até a chegada a vida adulta.

Logo quando temos algum recém-nascido na fazenda, a curiosidade é grande para sabermos se é macho ou fêmea, se será Marcha Picada ou Batida, castanho, tordilho ou alazão.

Uma grande porcentagem de criadores, observam primeiramente esses fatores qualitativos, porém a grande maioria também esquece ou passa por despercebido a análise de outros tópicos de suma importância, que estão diretamente ligados à saúde, bem-estar e o desenvolvimento desses “pequenos marchadores”.

Em alguns casos, o problema só chama a atenção quando nos deparamos com situações já avançadas de animais subnutridos, desidratados, fracos com imunidade baixa e outros fatores diretamente e indiretamente ligados as alterações e problemas encontrados na cavidade oral dos recém-nascidos que possam estar impedindo ou dificultando o aleitamento.

O primeiro exame odontológico de um cavalo deve ser realizado logo após o seu nascimento. Nesse exame devemos ter por finalidade explorar a cavidade oral em busca de possíveis alterações e deformidades de origem congênita, como por exemplo:

- Prognatismo;

- Braquignatismo;

- Lábios leporinos;

- Fenda palatina;

- Wry nose “nariz torto”;

- Formação do epitélio da língua.

Essas deformidades podem ser classificadas como leves, moderadas a graves, e dependendo do caso e do grau da alteração, esses animais serão incompatíveis a vida.

Após essa analise buscando por possíveis alterações congênitas também devemos ficar atentos as erupções dos dentes de leite (decíduos) que normalmente ocorrem nos seguintes períodos:

DENTES

PERÍODO DE ERUPÇÃO

Primeiro incisivo

0 a 1 semana

Segundo incisivo

4 a 6 semanas

Terceiro incisivo

6 a 9 semanas

Primeiro pré-molar ou “dente de lobo”.

A partir dos 6 meses.

Segundo pré-molar

0 a 2 semanas

Terceiro pré-molar

0 a 2 semanas

Quarto pré-molar

0 a 2 semanas

Primeiro molar (permanente)

10 a 11 meses

Segundo molar (permanente)

2 anos

Muitas vezes podemos observar algumas situações em que a égua não deixa o potro mamar notando o incomodo da mãe. Nesse caso, é muito importante realizar o exame na boca do potro, pois problemas nas erupções dos dentes incisivos e deformidades na maxila ou na mandíbula podem estar ferindo a teta da égua causando dor e, por esse motivo, ela não deixa o potro mamar.

Algumas alterações relacionadas a saúde e ao score corporal do potro no período do aleitamento é necessário que se realize também um novo exame da cavidade oral. Problemas como “feridas” estomatites na cavidade oral podem estar prejudicando sua nutrição durante o aleitamento.

Logo após o desmame desses potros é indicado que os proprietários realizem exames profiláticos a cada 6 meses, pois qualquer alteração nutricional ou alimentar durante esse período vale também uma nova avaliação odontológica.

Com isso concluímos que o aleitamento dos potros nos primeiros dias de vida é o fator preponderante para que ele se torne um futuro cavalo ou égua, e que a saúde de todo cavalo inicia-se pela boca, desde o primeiro dia de vida, por tanto de agora em diante fique atento e não deixe passar por despercebido esses problemas que possam estar comprometendo a saúde do seu “pequeno marchador”. Realize o exame odontológico!

 

 

Foto: Arquivo pessoal

 

Anomalia congênita